quinta-feira, 25 de maio de 2017

Real, o Plano por trás da História


Direção: Rodrigo Bittencourt
Elenco: 
Emílio Orciollo Netto (Gustavo Franco)
Tato Gabus Mendes (Pedro Malan)
Norival Rizzo (FHC)
Carlos Meceni (Clóvis Carvalho)
Paolla Oliveira (Renata)
Juliano Cazarré (Gonçalves)
Guilherme Weber (Pérsio Arida)
Bia Arantes (Luiza)
Klebber Toledo (Marcelo)
Fernando Eiras (Winston Fritsch)
Thiago Justino (Joubert)
Ricardo Kosovski (Rubens Ricupero)
Bemvindo Sequeira (Itamar Franco)
Giulio Lopes (Edmar Bacha)
Anamaria Barreto (Ruth Cardoso)
Mariana Lima (Denise)
Arthur Kohl (José Serra)
Bruno Giordano (Líder manifestante)
Wladimir Candini (André Lara Resende)
Guilherme Magon (Marcos)



Sinopse:
Brasília, maio de 1993. Após uma sequência de planos econômicos que não surtiram efeito, o país é levado à hiperinflação. Uma seleta equipe econômica, protegida em um bunker contra pressões políticas, mergulha na missão de reformar o Estado e criar o Plano Real.



Minha opinião:

Raros momentos da história brasileira foram tão importantes como a implantação do Real, o ponto de virada da nossa economia, fruto de uma ideia genial, mas também de uma série de coincidências favoráveis. 
Mas lá se vão 24 anos e é muito complicado explicar a dimensão dos fatos para as novas gerações, que já nasceram sob a estabilidade monetária.
O filme acerta mais que erra ao dramatizar os acontecimentos. Acerta em narrar a história com foco em um único personagem, o economista Gustavo Franco, que talvez não tenha tido todo o peso sugerido pelo roteiro, mas serve bem ao storytelling. 
Acerta ainda ao simplificar alguns políticos, como o histérico Itamar Franco ou o mau humorado José Serra e ao condensar os petistas num único deputado oportunista com o sotaque de José Dirceu.
Mas, claro, o filme erra ao abusar de clichês visuais em busca de planos impactantes. Erra mais ainda em não tangibilizar melhor o caos econômico em que o país estava enroscado, vítima de políticas desastradas e populistas, que atrelavam por exemplo salário à inflação, alimentando uma espiral nefasta de especulação.
O resultado final é mais raso do que poderia ser, mas tem relevância por documentar nossa história recente.



Brasil 2017 - Duração: 95 minutos
Distribuição: Downtown/Paris - Gênero: drama - Classificação: 12 anos
Data de estreia: 25/05/17






Nenhum comentário:

Postar um comentário